Qualificação dos profissionais do SUS em urgência e emergência pediátrica
Hospital Israelita Albert Einstein

Qualificação dos profissionais do SUS em urgência e emergência pediátrica
Urgência e Emergência Pediátrica
2018-2020

Qualificação dos profissionais do SUS em urgência e emergência pediátrica
Resumo

O projeto tem como objetivo capacitar profissionais médicos e enfermeiros do Sistema Único de Saúde, incluindo também os profissionais do SUS que fazem parte das Equipes Multidisciplinares de Saúde Indígena – EMSI (médicos e enfermeiros) como proposta da Agenda Integrada da Secretária de Atenção à Saúde e Secretaria Especial de Saúde Indígena para redução da Mortalidade Infantil Indígena, no aprimoramento das atividades assistências à criança em situações de urgências e emergências pediátricas, com foco na segurança do paciente e nas melhores práticas e condutas estabelecidas nacionalmente.

Conforme mencionado na Portaria 3.362, de 08 de dezembro de 2017, Art. 17  “Os projetos de apoio deverão ser classificados em, pelo menos, um dos objetivos do Plano Nacional de Saúde e em uma das seguintes áreas de atuação, destacando-se a relevância e o potencial de contribuição do projeto para a governança do SUS”. Diante disso, o projeto mostra-se em alinhamento com os objetivos 03 e 10 do plano supracitado.

O curso terá três dias de duração, com 40 participantes por curso, subdivididos em grupos de no máximo 10 alunos, com atividades voltadas a cada dia para diferentes ambientes de atendimento de urgências e emergências pediátricas.

Estratégia:

Aulas teóricas 

Práticas monitoradas

Discussões de caso

Cenários de Simulação Realística.


 

Capacitação de Multiplicadores: Fica sob responsabilidade do HIAE, capacitar os profissionais no método da simulação realística como estratégia de treinamento, com objetivo destes profissionais multiplicar agentes locais no ensino com esse método, instrumentalizando o profissional e permitindo sua disseminação. 

O curso terá dois dias de duração, com 40 participantes por curso, subdivididos em grupos de no máximo 10 alunos.

 Segue os temas:

Os temas relacionados à aplicabilidade da capacitação in loco serão:

  • Histórico de simulação;
  • Conceitos (Tipos de simulação e simuladores, práticas monitoradas, cenários no centro de simulação e in situ);
  • Crisis Resource Management e Habilidades não técnicas;
  • Estrutura física, ambientação e recursos;
  • Debriefing na Simulação (com vídeos exemplo);
  • Prática de montagem, condução de cenário e debriefing (opção de cenários de trauma, emergência pediátrica e comportamental conforme aptidão do grupo);
  • Construção de cenários;
  • Trabalhando com ator/paciente padronizado;
  • Construção de cenários, montagem, condução e DB.


Introdução

O projeto aborda o atendimento de urgência e emergência pediátricas nos diferentes níveis de atenção a saúde, inclusive atendimentos a crianças em situações de vulnerabilidades e difícil acesso aos serviços de saúde, com ênfase em causas reduzíveis de mortalidade em menores de 5 anos por ações adequadas de diagnóstico e tratamento. Serão utilizados casos clínicos que promoverão as discussões embasadas nos protocolos vigentes, promovendo atualização da abordagem diagnóstica e intervenções terapêuticas



Métodos

Objetivo Geral

O objetivo será capacitar os participantes do curso, entre médicos e enfermeiros, que tem a sua atuação ligada à assistência de pacientes em Urgência e Emergências Pediátricas, com foco na segurança do paciente e nas melhores práticas e condutas estabelecidas nos Protocolos Nacionais.

 

  • Objetivos Específicos
Ao oferecer a capacitação dos profissionais no âmbito das Urgências e Emergências Pediátricas

Resultados
  • Taxa de aquisição de conhecimento: é a média entre o pré e pós-teste realizada pelo profissional. O resultado é expresso em porcentagem. Espera-se que esta média seja acima de 15%.
  • Taxa de aquisição de confiança: é a média entre o pré e pós-teste realizada pelo profissional. O resultado é expresso em porcentagem. Espera-se que está média seja acima de 10%.
  • Taxa de retenção de conhecimento: é a média entre o pré-teste e teste após 6 meses realizada pelo profissional. O resultado é expresso em porcentagem. Espera-se que está média seja acima de 10%.
  • Taxa de aproveitamento de vagas: é o resultado de aproveitamento das vagas, levando em consideração a quantidade de inscritos e a quantidade de presentes. É desejável que este valor seja acima dos 90% de vagas ocupadas.
  • Avaliação de reação do curso: questionário preenchido pelo participante para avaliar a qualidade do curso. A meta será obtermos 90% de bom/excelente no item geral do treinamento.


Liderança

Joyce Kelly Barreto, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, Linkedin

Thomaz Bittencourt,  Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, Linkedin






 



Equipe

Priscilla Cerullo Hashimoto, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, Linkedin

Analuiza Ribeiro da Silva Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, Linkedin

Midia Martinez Matias,  Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

Verônica Borsaro Rosa, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

Glayce do Nascimento Lopes de Paula, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo. 

Elisabeth Cristina Araujo Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

Alex Anastacio Aquino, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

Tatiane Evangelista Oliveira, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.

Olivia Cristiane Nascimento Silva, Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo.



Colaboração


Área Técnica

Secretária de Atenção à Saúde /Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas/ Coordenação-Geral de Saúde do Aleitamento Materno;

Secretária de atenção à Saúde (SAS)



INDICADORES

495
Profissionais
capacitados
CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando