Banco público de sangue de cordão umbilical - BRASILCORD
Hospital Israelita Albert Einstein

Banco público de sangue de cordão umbilical - BRASILCORD
Brasilcord
2018-2020

Hospital Israelita Albert Einstein
Resumo

Nos últimos anos, por conta da incorporação de novos protocolos de transplante alogênico e autólogo nos centros transplantadores, a procura por bolsas de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário (SCUP) tem sido muito baixa. Entre 2015 e 2017, somente sete bolsas foram enviadas para transplante. Nesse cenário e por demanda da Coordenação Geral do Sistema Nacional de Transplantes (CGSNT/SAS), este projeto objetiva propiciar a manutenção das unidades congeladas de SCUP no banco de sangue de cordão umbilical do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), para que sejam oferecidas a qualquer cidadão brasileiro que necessite de transplante de medula óssea, sem doador familiar HLA-compatível.
Além disso, será elaborado estudo de viabilidade e custo para transferência das bolsas de SCUP congeladas entre os demais bancos na rede nacional para descontinuidade do projeto.
Dentro do contexto do SUS, o projeto propõe manter as bolsas de SCUP congeladas e contribuir para o direcionamento e transferências das amostras para outros bancos da rede pública. A ideia é centralizar e reduzir o número de bancos instalados, proporcionando a futura descontinuidade deste projeto que, por sua vez, irá liberar verbas para investimento em iniciativas prioritárias.
A metodologia consiste em realizar visita técnica de avaliação das instalações dos centros indicados para possível recebimento das bolsas de SCUP congeladas no HIAE, em conjunto com um técnico da empresa fornecedora do bioarquivo. Um representante do projeto e do centro deverá: avaliar as estruturas e capacidade de receber os equipamentos e armazenar as bolsas; avaliar se a estrutura física pode receber o bioarquivo e equipamentos; verificar se há necessidade de adequação da área física para receber o equipamento. Caso o centro não aceite a doação do bioarquivo, avaliar a capacidade para receber as bolsas congeladas com a estrutura vigente. Além disso, será verificada a necessidade de treinamento da equipe técnica para utilização dos equipamentos. Após a visita, será feito um relatório, além de parecer técnico sobre segurança do transporte e instalação do equipamento e orçamento do transporte, instalação, manutenção e reformas, caso o centro não disponha de recursos próprios.
Estão envolvidos no projeto: pacientes que aguardam para realizar transplantes de medula no Brasil; Ministério da Saúde; gestores do REREME (Registro de Receptores de Medula Óssea), do RENACORD (sistema do Brasilcord), do Sistema Nacional de Transplantes, do Banco do Cordão e HIAE.



Introdução


Métodos


Resultados


Liderança


Equipe


Colaboração


Área Técnica


INDICADORES

3
Profissionais envolvidos
com projetos de gestão
CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando