Avaliação do perfil de comissões de controle de infecção hospitalar e laboratórios de microbiologia em hospitais brasileiros: Plataforma de Projetos de Apoio ao Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos.
Hospital Moinhos de Vento

Avaliação do perfil de comissões de controle de infecção hospitalar e laboratórios de microbiologia em hospitais brasileiros: Plataforma de Projetos de Apoio ao Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos.
Impacto MR: CCIH e Microbiologia
2018-2020

Avaliação do perfil de comissões de controle de infecção hospitalar e laboratórios de microbiologia em hospitais brasileiros: Plataforma de Projetos de Apoio ao Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos.
Resumo
Microrganismos resistentes (MR) são aqueles com baixa resposta ao tratamento com quase todas as opções de antibióticos. Eles são considerados um problema de saúde pública por ameaçar os ganhos de sobrevida no tratamento de doenças infecciosas obtidos nas últimas décadas, particularmente entre pacientes graves internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), onde o desenvolvimento de resistência bacteriana é mais propício. Infecções por MR estão associadas a elevadas taxas de mortalidade e ao aumento dos custos do sistema de saúde, especialmente pela maior permanência hospitalar dos pacientes e utilização de medicamentos e intervenções excepcionalmente caras.

Reconhecendo a crise produzida por MR, a organização Mundial da Saúde (OMS) propôs o “Plano de Ação Global Sobre Resistência Antimicrobiana da OMS” em 2015. O documento demanda que cada país desenvolva seu plano nacional para combater MR. No Brasil, o Comitê do Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos, sob responsabilidade da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), é encarregado de elaborar e conduzir o Plano de Ação Nacional, através de estratégias para detecção, prevenção e redução da resistência microbiana (RM) em serviços de saúde, pautadas nas recomendações da OMS.

Com o objetivo de apoiar o Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos, o IMPACTO MR visa registrar informações clínicas, microbiológicas e de custos, no âmbito de UTI, em uma plataforma de pesquisa colaborativa desenvolvida em parceria com os cinco Hospitais de Excelência do PROADI-SUS. Através do estudo observacional intitulado IMPACTO MR – PERFIL, o Hospital Moinhos de Vento contribui com a coleta de informações para a plataforma, além de avaliar o perfil e os processos das CCIH e laboratórios de microbiologia dos hospitais participantes.

Para o desenvolvimento da plataforma colaborativa, 50 hospitais provenientes de todas as regiões do país contribuem com informações de pacientes internados em UTI adulto. Cada um dos cinco Hospitais de Excelência do PROADI-SUS é responsável pela coleta de dados em 10 hospitais. O estudo  para a avaliação do perfil e dos processos de CCIH e laboratórios de microbiologia, coordenado pelo HMV, é realizado com base nos dados coletados seguindo o método de um estudo observacional.


Introdução
Infecções por MR são consideradas problema de saúde pública, ameaçando os ganhos de sobrevida no tratamento de doenças infecciosas, particularmente entre pacientes internados em UTI, onde as infecções associadas à assistência à saúde (IRAS) e o uso de antibióticos são mais frequentes, favorecendo a resistência bacteriana. Infecções por MR aumentam os custos do sistema de saúde pela maior permanência dos pacientes e por custos da utilização de medicamentos e intervenções. Estima-se que em 2016 ocorreram 700 mil óbitos no mundo devido a infecções por MR. Em 2050, estima-se 10 milhões de óbitos e 100 trilhões de dólares em custos. No Brasil, os dados são escassos, mas evidências indicam elevadas prevalência e variabilidade entre regiões e serviços de saúde.

A OMS reconhece a crise gerada por MR e propôs o Plano de Ação Global sobre Resistência Antimicrobiana, que, entre outras medidas, demanda que cada país desenvolva seu plano nacional para combater MR. No Brasil, há medidas para reduzir as taxas de infecções por MR, mas boa parte apresenta baixa adesão ou seus efeitos não foram testados. Tanto CCIH, como laboratórios de microbiologia, são responsáveis pela obtenção dos dados de infecção por MR. Assim, garantir a qualidade dos processos e da estrutura dos serviços deve ser prioridade. Uma avaliação nacional permite o uso eficaz de recursos para melhorar decisões e ações de saúde pública com dados nacionais robustos, segundo a OMS.

Em apoio ao Plano de Ação Nacional de Prevenção e Controle da Resistência aos Antimicrobianos, o IMPACTO MR visa estabelecer uma plataforma de pesquisa colaborativa construída em parceria com os cinco Hospitais de Excelência do PROADI-SUS. A partir das informações coletadas nesse processo, serão realizados estudos para avaliar a estrutura e processos de CCIH e laboratórios de microbiologia, os fatores de risco para aquisição de MR, o impacto clínico e econômico da aquisição de MR e a acurácia dos dados de IRAS e MR reportados à ANVISA.


Métodos
O IMPACTO MR é um estudo observacional prospectivo e colaborativo, entre os cinco Hospitais de Excelência do PROADI-SUS, denominados hospitais coordenadores do projeto. São coletados dados clínicos, microbiológicos e de custos de pacientes internados em UTI adulto brasileiras, mantendo um padrão comum de coleta, de alta qualidade, formando um banco de dados único e com as mesmas variáveis.

Além de colaborar com o processo de coleta de dados para a plataforma, o Hospital Moinhos de Vento conduz o IMPACTO MR – PERFIL, um estudo clínico observacional que visa avaliar o perfil e os processos de CCIH e laboratórios de microbiologia dos 50 hospitais selecionados para a plataforma colaborativa.

Quanto à plataforma, o Hospital do Coração (HCor) é responsável pela coordenação central (Comitê Diretivo), com a subcoordenação de cada hospital coordenador do projeto. Cada hospital coordenador será responsável pela implantação do estudo e acompanhamento da coleta de dados  em 10 hospitais selecionados para participar do Programa IMPACTO MR. Serão selecionados 50 hospitais distribuídos em todo território nacional, de onde serão adquiridos os dados de UTI, necessários para o desenvolvimento da plataforma e para responder aos objetivos específicos do estudo. São coletados dados de todos os pacientes admitidos na UTI durante o período do estudo. Estima-se a inclusão de 38.250 pacientes ao ano.


Resultados
O projeto aguarda aprovação para início, no entanto, conforme descrito anteriormente, por se tratar de um projeto colaborativo, os demais Hospitais de Excelência participantes do Programa IMPACTO MR conduzirão projetos utilizando a mesma base de dados, mesmas definições de variáveis e métodos similares de implementação. Ou seja, como resultado final, haverá a possibilidade de gerar dados contínuos em 50 UTIs brasileiras, e que permitirão implementar diversos projetos visando o controle de MR, com adequada mensuração do efeito e manutenção das estratégias realmente custo-efetivas.


Liderança
Mariana Martins Siqueira Santos - Hospital Moinhos de Vento, Porto Alegre – Lattes

Equipe


Colaboração

Hospital do Coração (HCor)
Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE)
Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC)
Hospital Sírio-Libanês (HSL)
Brazilian Research in Intensive Care Network – BRICNet



Área Técnica

Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT)
Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE)



INDICADORES

CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando