Estudo das Características Epidemiológicas e Clínicas das Hepatites Virais Agudas em Serviços de Saúde Brasileiro
Hospital Israelita Albert Einstein

Estudo das Características Epidemiológicas e Clínicas das Hepatites Virais Agudas em Serviços de Saúde Brasileiro
Hepatites Virais
2018-2020

Estudo das Características Epidemiológicas e Clínicas das Hepatites Virais Agudas em Serviços de Saúde Brasileiro
Resumo

As hepatites virais representam importante problema de saúde pública no Brasil e em todo o mundo. Este projeto busca caracterizar os casos de hepatites agudas e contribuir com informações para garantir a meta de eliminação das hepatites virais no Brasil. O resultado será a produção de um estudo que responda quatro questões fundamentais. São elas: 1) Qual a etiologia das hepatites agudas em nossas instituições? 2) Dentre aquelas de etiologia viral, qual a frequência de vírus A, B, C, D e E? 3) Quais os genótipos virais mais associados com as infecções agudas? 4) Quais as características clínico-epidemiológicas dos pacientes com hepatites agudas coinfectados pelo HIV?
Os resultados desse estudo poderão auxiliar na implantação das ações estratégicas, visando garantir a meta de eliminação das hepatites virais. Ele testará um modelo de atendimento de hepatites agudas, o qual fornecerá alternativas para estabelecer taxas de incidência da doença nos serviços de saúde, além do conhecimento das características clínico-epidemiológicas e moleculares das hepatites virais agudas.
Objetiva-se conhecer as características clínico-epidemiológicas e moleculares das hepatites virais agudas, tratadas pelos serviços de saúde. Além disso, há o interesse em determinar as taxas de incidências das hepatites virais (causadas por vírus hepatotrópicos), identificar hepatites (causadas por agentes não primariamente hepatotrópicos) e analisar os perfis epidemiológicos e sociodemográficos. O estudo também tem em vista caracterizar os genótipos dos vírus hepatotrópicos, identificados nos casos de hepatites agudas, além de comparar a etiologia entre pacientes coinfectados ou não infectados pelo HIV.
Este estudo é observacional, prospectivo, multicêntrico e tem por finalidade avaliar pacientes com quadros clínicos sugestivos de hepatopatia aguda, com avaliação das características clínico-epidemiológicas e moleculares das hepatites virais agudas. A amostra aproximada é de 2.280 pacientes, distribuídos em todas as regiões do Brasil, a partir da escolha de centros de referência. Assim, espera-se representar a ocorrência de hepatites, por região geográfica, e atendimentos consecutivos ao longo de um ano.
Apoiado pelo Hospital Israelita Albert Einstein, este projeto foi construído com o alinhamento inicial dos principais serviços públicos acadêmicos envolvidos no atendimento aos pacientes com hepatites virais agudas e crônicas na cidade de São Paulo: Hospital das Clínicas-FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), Hospital São Paulo-UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo) e Hospital Emílio Ribas.  Também está envolvido o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle IST/AIDS/Hepatites Virais, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. As Secretarias Estaduais de Saúde são partes interessadas no projeto, assim como os pacientes atendidos por este projeto, em especial aqueles em situação de maior vulnerabilidade.






Introdução
As hepatites virais representam importante problema de saúde pública. Foram responsáveis por cerca de 1,34 milhões de óbitos em 2015, em todo o mundo, sendo que este número vem aumentando. A maioria dos casos de óbitos está relacionada às formas crônicas de doença, principalmente devido à cirrose hepática e suas complicações como o CHC. Cerca de 4% dos casos de óbitos estão associados às formas fulminantes da doença hepática aguda.
Este projeto propõe ações para caracterizar melhor os casos de hepatites agudas atendidos em diferentes estados brasileiros e gerar informações relevantes para as políticas de saúde institucionalizadas no âmbito do Sistema Único de Saúde. Os dados atuais necessitam ser avaliados para verificar se houve alguma modificação recente no padrão epidemiológico quanto à frequência dos casos relacionados com os diferentes agentes hepatotrópicos já conhecidos, bem como com outros agentes que podem causar quadros clínicos semelhantes, além da Hepatite Autoimune.
Os resultados do projeto fornecerão subsídios que auxiliarão na implantação das ações estratégicas brasileiras que visam garantir a meta de eliminação das hepatites virais em nosso país.
A relevância do projeto para o SUS decorre de seus objetivos. Pretende-se conhecer as taxas de incidências, nos serviços de saúde, das hepatites causadas por vírus hepatotrópicos e por agentes não primariamente hepatotrópicos, além das Hepatites Autoimunes e rastreio para Doença de Wilson; analisar os perfis epidemiológicos e sociodemográficos, envolvidos na transmissão dos agentes identificados; caracterizar os genótipos dos vírus hepatotrópicos identificados nos casos de hepatites agudas causadas por estes agentes e comparar a etiologia entre pacientes coinfectados ou não pelo HIV. Os resultados deste projeto serão muito importantes para guiar políticas públicas de prevenção e assistência estabelecidas pelo Ministério da Saúde para estes casos nos diferentes locais do Brasil.




Fluxograma









Métodos
  • Trata-se de um estudo observacional, prospectivo e multicêntrico, para avaliar pacientes consecutivamente atendidos em instituições de saúde brasileiras participantes, com quadros clínicos sugestivos de hepatopatia aguda, a nível nacional, contando com a participação de 14 estados brasileiros nas cinco regiões do país. Serão incluídos no estudo casos suspeitos de hepatite aguda até que o número de 2.280 pacientes seja atingido, considerando o período do triênio. Nos centros participantes, serão colhidos dados demográficos, epidemiológicos e clínicos, bem como amostras de sangue que serão enviadas e analisadas no Laboratório Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein.

  • Os centros participantes são indicados pelas coordenadorias estaduais e devem possuir profissionais especializados, que atendam no mínimo 2.000 pacientes por mês, ter estrutura de coleta laboratorial, centrífuga e freezer -20 ̊C, acesso à internet e garantir acesso ao tratamento/acompanhamento dos pacientes que necessitarem de assistência médica. Serão considerados elegíveis para o estudo todos os paciente com mais de 18 anos, caracterizados como casos suspeitos de hepatite aguda e atendidos nas unidades participantes do projeto, considerando o período do triênio.

  • Os exames serão analisados progressivamente no Laboratório clínico do Hospital Israelita Albert Einstein e todos os resultados serão disponibilizados aos centros participantes por meio de login e senha específica para esta finalidade, conforme os prazos de liberação do Laboratório.


Resultados

O projeto HEPAVI iniciou no 1º Semestre de 2018, com aprovação no CONEP em 22 de Agosto de 2019. Até o 1º Semestre de 2019, 18 centros de 5 regiões do Brasil participam do estudo. Pretende-se atingir um número de 2.280 pacientes. A expectativa é encerrar a inclusão dos pacientes em Outubro de 2020 com divulgação dos resultados ao final de 2020.



Liderança
João Renato Rebello Pinho – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

Equipe
Roberta Sitnik - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP – Lattes
Maira Marranghello Maluf – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Ketti Gleyzer de Oliveira – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Ricardo Andreotti Siqueira – Hospital Isrelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Deyvid Amgarten – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Pedro Henrique Sebe Rodrigues – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Edson Alves de Souza – Hospital Isrelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes
Peter James Robinson - Hospital Isrelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes


Colaboração
Consultoria Científica:
Carlos Eduardo dos Santos Ferreira – Hospital Israelita Albert Einstein - Lattes
Cristóvão Luis Pitangueiras Mangueira – Hospital Israelita Albert Einstein - Lattes
Murilo Castro Cervato - Hospital Israelita Albert Einstein - Lattes
Fernanda de Mello Malta – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-HCFMUSP - Lattes
Michele Soares Gomes Gouvêa – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-HCFMUSP - Lattes
Maria Cassia Jacintho Mendes Corrêa – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-HCFMUSP - Lattes
Ana Catharina de Seixas Santos Nastri – Hospital das Clínicas de São Paulo - Lattes
Maria Lúcia Cardoso Gomes Ferraz - Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP - Lattes
Paulo Roberto Abrão Ferreira – Universidade Federal do Estado de São Paulo - Lattes
Raymundo Soares de Azevedo Neto – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - FMUSP - Lattes
Mário Guimarães Pessôa – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo - FMUSP - Lattes
Mario Peribañez Gonzalez – Instituto de Infectologia Emílio Ribas - Lattes
Simone de Barros Tenore - Centro de Referência e Tratamento de DST AIDS - Lattes

Centros envolvidos na coleta de dados:
Unidade de Saúde de Referência de  Doença Tropicais
Fundação de Medicina Tropical Doutor Vieira Machado
Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará
Hospital Universitário Professor Edgar Santos (HUPES)
Hospital Universitário Julio Muller  Ambulatório 3 de Infectologia
Hospital Nereu Ramos
Polo de Hepatites do IASERJ
Hospital das Clínicas de Porto Alegre
Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão - EPEC/HUUFMA
Ambulatório de Hepatites do Hospital das Clínicas- UFMG
Centro de Medicina Tropical de Rondônia - CEMETRON
Hospital Dia Esterina Corsini
Hospital São Paulo-UNIFESP
Centro de Referência de Tratamento de DST AIDS
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-HCFMUSP
Instituto de Infectologia Emílio Ribas
Faculdade de Medicina ABC
Hospital das Clínicas Ribeirão Preto
 
Beatriz Bonadio Aoki - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP
Dourival Sabino Gomes Filho - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Fernanda Pahim Santos - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Renato Tanjoni - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Silvia Lefone Milan - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
Kauê Kamia de Menezes - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin


Área Técnica
Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis
Secretária de Vigilância em Saúde (SVS)

INDICADORES

CONHEÇA OUTROS PROJETOS
Processando