Resumo

A enfermagem no Brasil é composta por um quadro de 80% de técnicos e auxiliares de enfermagem, conforme estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (2015). Trata-se de uma categoria presente em todos os municípios, fortemente inserida no SUS e com atuação nos setores público, privado, filantrópico e de ensino. 

A atuação de um profissional que rapidamente reconhece uma parada cardiorrespiratória e presta socorro inicial previne a deterioração miocárdica e cerebral. Existem evidências sobre a redução da mortalidade em vítimas de Parada Cardiorrespiratória (PCR) que receberam, de maneira imediata, as manobras de RCP e obtiveram a preservação das funções cardíaca e cerebral. É essencial que, na conduta inicial dos procedimentos de Ressuscitação Cardiopulmonar, os indivíduos sejam capacitados, treinados e atualizados em procedimentos de reanimação cardiopulmonar com intuito de aumentar a sobrevida do paciente.

Nesse sentido, ampliar o conhecimento e difundir práticas promoverá mudanças no cenário brasileiro, incrementando no SUS a prática de técnicas de SBV, de forma simples e efetiva.


Introdução

Sabe-se que as emergências são parte da rotina profissionais de saúde, e não existe uma política pública voltada para o aprimoramento em SBV de técnicos e auxiliares de enfermagem, havendo treinamentos essencialmente concentrados na capacitação de médicos e enfermeiros. Com ações educativas e a possibilidade do uso de estratégias como a Educação a Distância e Simulação Realística, este projeto promove a qualificação de profissionais que terão grande potencial de salvar vidas.

O Projeto BLS visa promover a capacitação e treinamento de técnicos e auxiliares de enfermagem, vinculados a rede pré-hospitalar e hospitalar do SUS, em emergências pré e intra hospitalares que demandem suporte básico de vida, utilizando como estratégia um programa de desenvolvimento profissional baseado em vídeo aulas e treinamentos em cenários de simulação realística. Estes profissionais atuam no atendimento pré-hospitalar, pronto socorros, unidades de terapia intensiva e unidades de internação, e estarão aptos a reconhecer, identificar e tratar precocemente pacientes em emergências.

No que diz respeito ao Plano Nacional de Saúde (PNS), o projeto está alinhado ao objetivo 2, que busca “promover a ampliação da oferta de serviços da atenção especializada com vista à qualificação do acesso e redução das desigualdades regionais; e ao 4, que busca “fomentar a produção do conhecimento científico, promovendo o acesso da população às tecnologias em saúde de forma equitativa, igualitária, progressiva e sustentável”. A iniciativa está, também, alinhada à Política Nacional de Atenção à Urgência e Emergência (PNAU), que institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. 

O SUS será diretamente impactado com profissionais conscientes do fundamental papel nas equipes de saúde no atendimento de urgências e emergências e capacitados para o suporte básico de vida, além de profissionais multiplicadores para difundir este conhecimento em outras localidades de trabalho.


Métodos

O projeto irá qualificar técnicos e auxiliares de enfermagem para o adequado suporte básico de vida, abordando temas pertinentes ao atendimento de emergências no atendimento pré e intra hospitalar. Será oferecido o curso de Suporte Básico de Vida (SBV), vídeo aulas e simulações realísticas para promover discussões, questionamentos e intervenções.  

 

Profissionais do SUS:

Os treinamentos são oferecidos a profissionais dos serviços de emergência pré e intra-hospitalares, pronto socorros, unidades de terapia intensiva e unidades de internação, e estarão aptos a reconhecer, identificar e tratar precocemente pacientes em emergências por meio de vídeo aulas, e-books autoinstrucionais e simulações realísticas. Todos os meses, 80 técnicos e auxiliares serão selecionados pelo Ministério da Saúde para participar das aulas que, em seguida, serão divididos em turmas de 40 alunos.

 

Multiplicadores:

Após a conclusão da qualificação, 160 profissionais serão selecionados para o programa de multiplicadores do projeto, qualificados por mais 8 horas em um workshop oferecido nas instalações da BP, em São Paulo, e, posteriormente, serão responsáveis por replicar as práticas aprendidas em hospitais do SUS.  

 

Programação do Curso SBV:

A qualificação é dividida em duas etapas, sendo que a primeira é teórica e acontece na modalidade de Educação à Distância (EaD), com média de 10 horas de duração. Posteriormente, os participantes realizam 8 horas de treinamento prático na própria instituição a partir de abril de 2022.

 

Qualificação em Suporte Básico de Vida (SBV): 

Público-alvo: técnicos de enfermagem e enfermeiros;  

Modalidade: Híbrida; 

Carga horária: 18h;  

Para inscrições e mais informações, acesse Curso BLS - Basic Life Support – BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo


Resultados

.


Equipe

  • BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

    Liderança

    .


    Equipe
    Colaboração
    Área Técnica

Conheça outros Projetos_