Resumo

Hepatites virais podem se manifestar de forma aguda ou crônica.  No Brasil, as mais frequentes são as hepatites A, B, C, D e E - cinco agentes etiológicos que têm o fígado como alvo principal. Na forma crônica, a inflamação se prolonga e pode evoluir para doenças como cirrose, insuficiência hepática e câncer de fígado. Já na aguda, a inflamação geralmente desaparece dentro de algumas semanas – por isso, são consideradas formas benignas da doença. Entretanto, se não tratadas, também podem progredir para a fase mais agressiva.

Hoje no Brasil, existem poucos dados científicos sobre as hepatites agudas. O que se sabe, no entanto, é que a doença pode ser causada por diferentes agentes, como vírus, bactérias, fungos, parasitas e outras etiologias não infecciosas, como toxicidade de drogas, alterações metabólicas, doenças autoimunes e hereditárias.

Alguns dos sintomas mais comuns são o cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.  Outros agentes infecciosos podem causar condições similares, como a febre amarela, herpes, dengue, chikungunya, zika, leptospirose, toxoplasmose e sífilis. 

Com base neste cenário, o projeto busca conhecer melhor as características clínico-epidemiológicas e moleculares das doenças de acordo com as condições de cada região do Brasil. Outro objetivo é determinar as taxas de incidência pelos vírus hepatotrópicos (que são “atraídos” pelas células do fígado) para garantir a meta de eliminação das hepatites virais. Além disso, é fundamental detectar outros vírus e causas associadas que sejam relevantes no diagnóstico para que esses casos possam ser mais bem compreendidos e prevenidos.


Introdução

A demanda surgiu por meio do Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (DCCI/SVS/MS) devido ao pouco conhecimento a respeito das hepatites virais agudas no país.

O resultado será a produção de um estudo que responda quatro questões fundamentais:

  • Qual a etiologia das hepatites agudas nas regiões brasileiras?
  • Entre aquelas de etiologia viral, qual a frequência de vírus A, B, C, D e E? 
  • Quais os genótipos virais mais associados às infecções agudas?
  • Quais as características clínico-epidemiológicas dos pacientes com hepatites agudas coinfectados pelo HIV?
  • As respostas deste estudo poderão auxiliar não só no conhecimento das características clínico-epidemiológicas e moleculares das doenças, mas no estabelecimento de taxas de incidência nos serviços de saúde, bem como na implementação de estratégias para a aplicação de um modelo de atendimento mais efetivo.


    Métodos

    Trata-se de um estudo observacional, prospectivo e multicêntrico, com 20 instituições distribuídas em 14 estados. Até o final de 2022, serão avaliados cerca de 2,3 mil pacientes que estão acima dos 18 anos e são atendidos em centros de referência do Sistema Único de Saúde (SUS). É a primeira vez que um estudo desse porte, com abrangência nacional, é realizado.  

    Nos centros participantes, serão colhidos dados demográficos, epidemiológicos e clínicos, bem como amostras de sangue de pessoas com suspeita clínica da doença. Esses dados serão enviados e analisados no Laboratório Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, e todos os resultados serão disponibilizados aos centros por meio de login e senha específicos, conforme os prazos de liberação do laboratório.

    A conclusão do estudo está prevista para 2023.

     


    Equipe

    • Hospital Israelita Albert Einstein

      Liderança

      João Renato Rebello Pinho - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes


      Equipe

      Aurileda Oliveira Sampaio - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Bruna de Oliveira Silva - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Caroline Thomaz Panico - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      César Augusto Inoue - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Denize Ornelas Pereira Salvador de Oliveira - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Deyvid Emanuel Amgarten - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Fernanda de Mello Malta - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Ketti Gleyzer de Oliveira - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Layze de Oliveira Castberg e Souza - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Maira Marranghello Maluf - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Peter James Robinson - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Raymundo Soares de Azevedo Neto - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP  - Lattes

      Ricardo Andreotti Siqueira - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Roberta Sitnik - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Thais Sena de Paula Domingues - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes


      Colaboração

      Carlos Eduardo dos Santos Ferreira - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Cristovão Luís Pitangueira Mangueira - Hospital israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Lattes

      Maria Cassia Jacintho Mendes Corrêa - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Lattes

      Maria Lúcia Cardoso Gomes Ferraz - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP - Lattes

      Michele Gomes Gouvea - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP - Lattes 

      Paulo Roberto Abrão Ferreira - Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, SP - Lattes


      Área Técnica

      Departamento de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis  


    Indicadores

    29
    Quantidade de profissionais
    envolvidos em pesquisa
    146
    Quantidade de participantes
    envolvidos na pesquisa
    33
    Profissionais
    capacitados

    Instituições

    • Vitória

      hospital universitario cassiano antonio moraes hucam
    • Porto Alegre

      irmandade da santa casa de misericordia de porto alegre
      sae santa marta
    • Recife

      hospital das clinicas da universidade federal de pernambuco - ufpe
    • Florianópolis

      secretaria municipal de saude de florianopolis
    • Fortaleza

      hospital sao jose de doencas infecciosas
    • São Paulo

      hospital universitario da usp sao paulo
    • Rio de Janeiro

      secretaria de estado de saude do rio de janeiro
    • Curitiba

      instituto carlos chagas fiocruz
    • Maringá

      hospital universitario regional de maringa
    • Joinville

      hospital municipal sao jose

    Conheça outros Projetos_