Resumo

No âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a organização das Redes de Atenção à Saúde (RAS) visa garantir a integração de ações e serviços de saúde, promovendo ao usuário a atenção de forma contínua, resolutiva e integral. Dessa forma, será possível investir esforços para o fortalecimento da RAS nas Regiões de Saúde a partir da implementação de Linhas de Cuidado (LC) e de ações com potencial de impactar na qualidade de vida da população e na gestão do SUS. 

 

Por conta desse cenário, o projeto FortaleceRAS – conduzido pelo Hcor – tem o objetivo de apoiar a implementação das linhas de cuidados de Sobrepeso e Obesidade (SPO), Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2), Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), em duas Regiões de Saúde, de forma escalonada. 

 


Introdução

A estruturação da atenção e da gestão das Regiões de Saúde caracteriza-se ainda pela fragmentação de serviços, programas, ações e práticas clínicas, dificultando a integralidade da oferta de serviços e o atendimento às reais necessidades da população. Não obstante, as DCNT estão entre as principais causas de morte no País e gastos para o sistema público. Portanto, apoiar o fortalecimento das RAS, como um sistema focado e devidamente adaptado às Regiões de Saúde, a partir do apoio à implementação das LC envolvidas, pode ser o diferencial para lidar com cenário epidemiológico e nutricional da população abrangida. Destaca-se ainda a possibilidade de ampliação do projeto para o território nacional, visando à continuidade do projeto em outras regiões de saúde ou a partir da incorporação de outras LC. 

 

Utiliza-se, de modo geral, da metodologia da problematização, que fornece um percurso para a atuação sobre as questões da realidade local. Inicia-se com o desenvolvimento de revisão sistemática para identificação de referenciais teóricos, barreiras e facilitadores de implementação de diretrizes clínicas, seguido do diagnóstico situacional e priorização dos problemas identificados nas regiões de saúde atendidas, elaboração do plano de intervenção e sua execução, perpassando por um aprofundamento teórico com a capacitação dos profissionais de saúde e gestores e completado pelo monitoramento dos indicadores de saúde da população. 

 

Justificativa e relevância do projeto para o SUS

 

Espera-se produzir melhores resultados assistenciais e gerenciais aos serviços, com impacto positivo nos indicadores de saúde da população, voltados para as LC envolvidas, como a diminuição da taxa de mortalidade, taxa de internação hospitalar e tempo médio de permanência hospitalar por condições relacionadas às LC e o aumento do número de pacientes diagnosticados e atendidos em cada serviço, bem como também orientar profissionais de saúde para a atenção longitudinal e coordenação do cuidado, e propiciar aos gestores formas de organização da rede no seu território e ferramentas para o gerenciamento dos processos de trabalho e para o monitoramento dos desfechos de saúde da população. 

 


Métodos

Para cada objetivo do projeto, metodologias específicas foram definidas: 

 

  • Inicia-se com o desenvolvimento de revisão sistemática rápida para identificação de referenciais teóricos, barreiras e facilitadores de implementação das LC, protocolos clínicos e diretrizes assistenciais nos diferentes níveis de atenção à saúde; 
  • Será realizado um diagnóstico situacional inicial das regiões de saúde escolhidas para o levantamento de dados por meio de revisão documental de sistemas de informações disponíveis e visitas técnicas, que possibilitem conhecer a região de saúde, identificar os problemas prioritários e elencar as ações e serviços já existentes no cotidiano das equipes de saúde e de gestão;
  • O plano de intervenção regional será desenvolvido de forma colaborativa em oficinas presenciais e/ou virtuais com os atores envolvidos na implementação das linhas de cuidado, a partir dos resultados da revisão sistemática de literatura e do diagnóstico situacional. A execução do plano será acompanhada pela equipe do Hcor;
  • As equipes de saúde dos diferentes níveis de atenção e da gestão serão capacitadas em oficinas presenciais e/ou virtuais para manejar usuários com SPO, HAS, DM2, AVC e IAM. Para tanto, serão utilizadas metodologias ativas de ensino e aprendizagem, baseadas no conceito da Educação Permanente em Saúde, por meio dos tutores locais previamente selecionados e treinados pela equipe Hcor e de plataforma de Ensino Digital institucional. A capacitação terá como base a metodologia da problematização, o que possibilita a criticidade, preparando-os para uma ação transformadora nos seus locais de trabalho;
  • Por fim, os resultados serão avaliados por meio de indicadores de saúde da população monitorados do projeto. 
  •  


    Resultados


    Equipe


    Conheça outros Projetos_