Resumo

As Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são ambientes de risco, onde processos e dispositivos invasivos — que podem causar infecções e aumentar o tempo e o custo da internação — são necessários para a manutenção da vida.  Mesmo que os danos, na maioria das vezes, não sejam intencionais, podem acarretar em prejuízos físicos, emocionais, sociais e até fatais aos pacientes. As IRAS são exemplos dessas condições que causam danos ao paciente.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), nos países em desenvolvimento, 10 em cada 100 pacientes hospitalizados ficam expostos a infecções associadas a cuidados de saúde. No Brasil, o cenário não é diferente: acredita-se que cerca de 70% dos danos registrados nos hospitais do país são evitáveis. Assim, o Ministério da Saúde (MS) instituiu, em 2013, o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), que contribui para a qualificação do cuidado nos estabelecimentos de saúde públicos e privados.


Introdução

O projeto foi elaborado de forma colaborativa pelos hospitais PROADI-SUS e pelas equipes técnicas da Coordenação do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), Coordenação Geral de Atenção Hospitalar e de Urgência do Departamento de Atenção Hospitalar da Secretaria de Atenção à Saúde (CGHOSP/DAHU/SAS/MS).

Alinhado ao Plano Nacional de Saúde (PNS), o Saúde em Nossas Mãos espera reduzir, em médio prazo, a incidência dos principais indicadores de infecção hospitalar, além de disseminar o modelo de melhoria para outras unidades e hospitais, bem como demonstrar o impacto financeiro com a prevenção das infecções. A longo prazo, a expectativa é contribuir com a mudança da cultura das organizações de saúde com relação à segurança do paciente.

Entre os anos de 2021 e 2023, o Saúde em Nossas Mãos conta com a participação de 204 hospitais, o que representa um aumento de 76% em comparação ao triênio passado. A expectativa é impactar 2.843  leitos de UTI adulto, além de 17 UTI pediátricas e 7 UTI neonatais, a fim de tornar os ambientes mais seguros  e reduzir as IRAS em 30%, num período de 24 meses.Elaborado de forma colaborativa pelos hospitais PROADI-SUS e pelas equipes técnicas da Coordenação do PNSP e da Coordenação Geral de Atenção Hospitalar e de Urgência do Departamento de Atenção Hospitalar da Secretaria de Atenção à Saúde (CGHOSP/DAHU/SAS/MS), o projeto utiliza uma metodologia que pressupõe a participação ativa de todos os envolvidos, baseada no propósito de “todos ensinam e todos aprendem”.  Além dessas práticas, serão implementados ou aprimorados protocolos de higienização das mãos.


Métodos

O projeto utiliza a metodologia denominada “modelo de melhoria”, orientada pelo Institute of Healthcare Improvement (IHI) e utilizada com sucesso em várias iniciativas ao redor do mundo. Primeiramente, é feito um teste em pequena escala,  em um grupo de pacientes e profissionais da saúde, que resulta em aprendizado e adaptações. 

Uma vez testado e implantado, procede-se para o restante da unidade progressivamente. A capacitação das equipes acontece por meio de encontros virtuais e presenciais, permitindo uma rica troca de experiência entre os hospitais. As melhorias implantadas são monitoradas por indicadores e por visitas técnicas in loco, realizadas pelas equipes dos hospitais de excelência.

São compostas equipes multidisciplinares nas diferentes áreas de interesse em torno da UTI, além da nomeação de líderes de projeto em cada hospital, responsáveis por engajar as equipes e estimular a implementação de práticas seguras, a partir das metodologias e ferramentas específicas de qualidade e segurança do paciente.

Além dessas frentes, o projeto prevê a incorporação de uma rotina de coleta de dados e indicadores relacionados aos protocolos utilizados pela iniciativa. Assim, é possível uma análise mais precisa de indicadores como a quantidade de vidas salvas e a economia gerada para o SUS. Ao final, espera-se que os profissionais utilizem o método, as ferramentas e técnicas necessárias para trabalhar a implantação de protocolos de segurança nos hospitais.

Cada grupo, composto por 34 hospitais, será acompanhado por um hospital do PROADI-SUS, denominado HUB, responsável por compartilhar e trocar experiências relacionadas à execução das boas práticas assistenciais, e por aprimorar a equipe na metodologia. Esse suporte contínuo às equipes ocorrerá por meio das sessões de aprendizagem e pelas visitas técnicas, ambas presenciais e virtuais.

Para participar, o hospital deve corresponder aos seguintes critérios de seleção do Ministério da Saúde: 

  • Ser hospital público ou filantrópico; 
  • Ter no mínimo 100 leitos ativos; 
  • Possuir no mínimo 10 leitos de UTI adulto ou pediátrico; 
  • TER uma equipe dedicada ao projeto, que deseja implantar as práticas seguras e prevenção de infeções em suas UTIs; 
  • Ter apoio institucional para se candidatar (responsável legal do hospital).

  • Resultados

    Resultados do primeiro triênio (2018-2020)

    A iniciativa encerrou seu primeiro triênio de atuação no final de 2020. Em três anos, foram evitados 7.634  casos de IRAS em 116 hospitais públicos do país, o que gerou uma redução de desperdício de R$ 354 milhões para o SUS.

    A iniciativa reduziu em 55% % o número de infecções adquiridas por pacientes internados em UTI, salvando 2.687 vidas. Os três principais tipos de IRAS — IPCSL, PAV e ITU-AC — apresentaram uma redução de 46, 52 e 68%, respectivamente.

     


    Equipe

    • BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

      Liderança

      Guilherme Cesar Silva Dias Santos - Coordenador de Projetos


      Equipe

      Andreia Lopes de Lima - Consultora Técnica

      Lais Silvestre Bizerra Baltazar- Consultora Técnica

      Natalia Nardoni - Consultora Técnica

      Camila Bertoldo Pinheiro - Médica Consultora Infectologista

      Graziella Pacheco Velloni - Médica Consultora Intensivista Pediátrica e Neonatal

      Livia Muller Bernz - Médica Consultora Intensivista Adulto

      Regielle de Almeida Perez Oliveira - Assistente de Projetos


      Colaboração

      Área Técnica
    • Hcor

      Liderança

      Cristiana Martins Prandini - Coordenadora de Projetos


      Equipe

      Andrea Gushken - Médica Consultora Especialista em Ciência da Melhoria

      Ingvar Ludwig - Médico Consultor Infectologista

      Érica Deji Moura Morosov - Especialista de Projetos

      Marcelo Romano - Médico Consultor Itensivista

      Marianilza Lopes - Especialista de Projetos

      Samara de Campor Braga - Especialista de Projetos

       

       


      Colaboração

      .


      Área Técnica

      .

    • Hospital Alemão Oswaldo Cruz

      Liderança

      .Karen Cristina da Conceição Dias Silva - Coordenador de Projeto


      Equipe
      Angelica Carvalho de Araujo - Assistente Administrativo  Fernando Enrique Arriel Pereira - Enfermeiro Beatriz Marques da Silva Martinez - Enfermeira  Luciana Gouvea De Albuquerque Souza - Enfermeira Bruno de Melo Tavares - Médico Infectologista Waldimir Garcia da Silva - Analista de Ensino Daniela Pino Vinho - Medica Consultora Intensivista Adulto Helena Barreto dos Santos - Especialista em Melhoria 
      Colaboração

      .


      Área Técnica

      .

    • Hospital Israelita Albert Einstein

      Liderança

      Claudia Garcia de Barros - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Coordenadora Nacional do Projeto

      Flavia Fernanda Franco – Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Coordenadora do Projeto

       

       


      Equipe

      Roberta Gonçalves Marques -  Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Consultora em Melhoria

      Priscila Martini Bernardi Garzella - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Consultora em Melhoria

      Youri Eliphas Almeida -  Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Consultor em Melhoria

      Vinicius Farias Macari - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Analista de Informações

      Lital Moro Bass - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Líder Custeio

      Leonardo Henrique Fiuza de Meireles - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Analista de custo

      Edgar Joseph Kiriyama - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Analista de dados

      Nancy Oliveira dos Santos -  Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Analista de custo


      Colaboração
        Claudia Vallone Silva - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Enfa Epidemiologista Especialista em Controle de Infecção e Consultora Técnica Cilene Saghabi - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Ft do Departamento de Pacientes Graves e Consultora Técnica Dejanira Aparecida Regagnin - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Enfa Especialista em Prevenção de ITU e Consultora Técnica Maria Yasmashita - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP  - Enfa Intensivista Consultora Técnica Graziela Fernanda Teodoro Bonfim - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Coordenadora de Enfermagem das UTIs Neo e Pediatrica e Consultora Técnica Victor Amorim - Hospital Municipal Moyses Deutsch, São Paulo, SP - Médico Infectologista do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar  Alexandre Forte Lombardi - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Coordenador Administrativo Escritório PROADI Flavia Christina Prado - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Analista de Projetos Escritório PROADI Fernanda Pahim Santos - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Coordenadora de Projetos Escritório PROADI Renato Tanjoni - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Gerente Escritório PROADI  
      Área Técnica

      Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (SAES)

    • Hospital Moinhos de Vento

      Liderança

      Rafaela Moraes de Moura - Coordenação do Projeto


      Equipe

      Aline Brenner - Responsável Técnica

      Patrícia dos Santos Bopsin - Consultora Técnica

      Juliana Fernandes da Silva - Consultora Técnica

      Francielle Bendersky Gomes - Consultora Técnica

      Patrick Jacobsen Westphal - Fisioterapeuta

      Gynara Rezende Barbosa - Médica Infectologista

      Fabiane Marins de Almeida - estagiária enfermagem


      Colaboração

      .


      Área Técnica

      .

    • Hospital Sírio-Libanês

      Liderança

      Marco Antônio Saavedra Bravo - gerente de projeto

      Renata Gonsalez dos Santos - coordenadora HUB


      Equipe

      Amanda Brassaroto Gimenes - ESPECIALISTA TÉCNICA

      Beatriz Ramos -  ESPECIALISTA TÉCNICA

      Jessica Alves Vieira -  ESPECIALISTA TÉCNICA

      Edileusa Novaes -  ESPECIALISTA MELHORIA

      Guilherme Fragoso de Mello - ASSISTENTE ADMINISTRATIVO

      Brunno Cesar Batista Cocentino - MÉDICO INFECTOLOGISTA

      Alexandra Daniel - CONSULTORA MÉDICA


      Colaboração

      .


      Área Técnica

      .


    Indicadores

    1637
    Quantidade de profissionais
    envolvidos em atividades de gestão
    10875
    Profissionais
    capacitados

    Conheça outros Projetos_