Resumo

A taxa de internações decorrentes de doenças cardiovasculares vem crescendo ao longo dos anos. A média de permanência hospitalar desses pacientes chega a quase uma semana e a mortalidade é de 6,85%. Na última década, também houve um aumento no número de intervenções coronárias percutâneas de urgência no SUS.

O sistema de saúde brasileiro precisa se adequar para acomodar a alta e crescente demanda de atendimento às doenças cardiovasculares, com particular atenção aos indivíduos com síndromes coronárias agudas (SCA) — provocadas quando há acúmulo de placas de gordura nas artérias, que se estreitam e limitam o fluxo de sangue para o coração.

Estudos mostram que a melhor opção de tratamento para os pacientes com SCA é o uso da dupla antiagregação plaquetária (DAPT), uma associação de ácido acetilsalicílico (AAS) com um antagonista oral do receptor P2Y12 plaquetário, como o clopidogrel e, na última década, o prasugrel e o ticagrelor. Essa combinação, recomendada por diretrizes internacionais, reduz mais eventos isquêmicos, apesar de aumentar a possibilidade de complicações hemorrágicas. 

Sabe-se que o risco de sangramento é proporcional à dose de AAS ministrada ao paciente. Entretanto, os novos antiplaquetários ainda não foram testados de forma independente ao medicamento. Assim, o projeto pretende avaliar a hipótese de que a administração isolada dos inibidores potentes do receptor P2Y12 plaquetário, sem associá-los ao AAS, mantém a eficácia em prevenir complicações isquêmicas, ao mesmo tempo que reduz o potencial hemorrágico do esquema de terapia dupla.

 

Introdução

O projeto abrange todo o território nacional, com a inclusão de centros de pesquisa em todas as regiões do país. O centro coordenador do estudo será a Academic Research Organization (ARO) do Hospital Israelita Albert Einstein. Até o final do triênio, 45 centros de estudo regionais, que irão compor a rede de pesquisa, serão convidados a participar do estudo e devem ficar responsáveis pela condução das atividades nas suas instituições. 

Espera-se que a diminuição da prescrição de medicamentos em decorrência da diminuição do risco hemorrágico e da manutenção do perfil de eficácia para evitar isquemia em pacientes com SCA, contribua para a redução de custos para o SUS, além do aumento da adesão ao tratamento farmacológico e o fortalecimento e consolidação da Rede de Pesquisas em Doenças do Departamento de Ciência e Tecnologia e da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos. O projeto também deve apoiar o treinamento para profissionais de saúde da rede básica, secundária e de outros hospitais públicos em pesquisa clínica.

 

Métodos

Trata-se de um ensaio clínico randomizado, multicêntrico, fase IV, com avaliação cega de desfechos e análise por intenção de tratar.

Serão incluídos hospitais brasileiros de grande porte, públicos ou privados (com preferência aos que atendem a rede pública e que prestam assistência intervencionista a pacientes com SCA). Ao longo do presente e do próximo triênio, serão incluídos 3.400 pacientes com SCA tratados com intervenção coronária percutânea bem-sucedida. Todos serão submetidos ao protocolo de mudança de estilo de vida, conforme recomendações do Ministério da Saúde. 

Serão fornecidas as medicações antitrombóticas e os stents padronizados para o estudo. As demais condutas para prevenção secundária de doença arterial coronária deverão seguir as recomendações das diretrizes nacionais e internacionais.

Os dados serão coletados por meio de fichas clínicas eletrônicas, disponibilizadas via internet, utilizando o Sistema de Gerenciamento de Dados da ARO Einstein. Os dados são inseridos no sistema pela equipe dos centros participantes. Todos os formulários são assinados eletronicamente pelo investigador principal nos centros ou pessoas delegadas. O treinamento e suporte para utilização do sistema serão disponibilizados aos investigadores pelo centro coordenador.

 

 


Resultados

Este estudo foi recentemente aprovado pelos orgãos competentes e ainda está em fase inicial de execução.


Equipe

  • Hospital Israelita Albert Einstein

    Liderança

    Pedro Lemos Alves Neto - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP – Lattes


    Equipe

    Marcelo Franken - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP – Lattes


    Colaboração
    Fernanda Pahim Santos - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin Flavia Pereira de Carvalho - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin Jaqueline Teixeira - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP Renato Tanjoni - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin Kauê Kamia de Menezes - Hospital Israelita Albert Einstein, São Paulo, SP - Linkedin
    Área Técnica

    Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos (SCTIE)


Conheça outros Projetos_