Resumo

A população idosa já superou a casa dos 30 milhões de pessoas no Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O aumento dos casos de doenças, condições crônico-degenerativas, distúrbios mentais e outras complicações relacionadas ao envelhecimento, mais frequentes entre os idosos menos favorecidos, que não têm amplo acesso à assistência social e hospitalar, aumentam a demanda do sistema de saúde, que, por sua vez, pede uma reorganização.

Pensando em minimizar o impacto deste cenário, é possível seguir dois caminhos: o primeiro é aumentar a capacidade do sistema de apoio formal e informal ao idoso, beneficiando, por consequência, alguns serviços que atendem os demais usuários do sistema; e o segundo é reduzir a demanda ou a morbidade. Ambos os caminhos devem ser foco da gestão das instituições que, em sua maioria, não dispõem de capital suficiente para readequações de estrutura e mão de obra.

Diante deste cenário, para implantação de mudanças efetivas e melhoria do sistema, é preciso capacitar e desenvolver líderes capazes de enfrentar esses desafios por meio de uma gestão eficiente e inovadora, tendo como base o uso de dados, tecnologias, metodologias com foco em eficiência operacional e ainda maior agilidade no processo de execução e tomada de decisão.

Um exemplo é a análise e o uso de tecnologias exploradas pela área de Big Data Analytics, contemplando a simulação de modelos complexos, assim como técnicas frequentemente empregadas em outras áreas do conhecimento. É possível desenvolver de forma acurada equações preditivas envolvendo a demanda de recursos chave em situações de surtos de doenças infeciosas, análises de custo-efetividade de procedimentos e técnicas de tratamento etc., demonstrando como o sistema deve se organizar para o futuro.

A proposta do projeto em questão é, portanto, contribuir para a formação de especialistas em excelência operacional em todo o país, profissionais capazes de lidar com problemas complexos relacionados ao aumento da demanda por serviços de saúde, balancear recursos finitos e identificar qual abordagem é mais custo-efetiva.

O curso de Gestão e Excelência Operacional na área da saúde foi elaborado para desenvolver líderes de alta performance, capazes não somente de solucionar problemas, mas também de melhorar o contexto social da população por meio de uma gestão responsável e uso eficiente dos recursos.

Utilizando uma abordagem de gestão atual contemplando temas estratégicos, táticos e operacionais, o curso capacita o aluno para identificar oportunidades de melhorias em qualquer área de uma organização de saúde, contribuindo para o aumento da segurança, qualidade, produtividade e satisfação de pacientes e colaboradores.


Introdução

Os principais objetivos do curso são compreender a metodologia Lean Six Sigma, visando a melhoria dos processos; aplicar, na prática, os conceitos e ferramentas quantitativas e qualitativas para análise e solução de problemas reais e complexos de organizações de saúde por meio de projetos de excelência operacional; e atuar como agente de mudança e disseminador dos conceitos de excelência operacional na área de saúde.

A iniciativa impacta diretamente o SUS, já que capacita os profissionais para desenvolver iniciativas de eficiência operacional em áreas assistenciais e administrativas, com foco em qualidade, segurança e experiência do paciente, no aumento de produtividade e na redução de desperdícios.

Os participantes desenvolverão projetos para solução de problemas reais e complexos sob a orientação de profissionais altamente capacitados, experientes e com conhecimento tácito da operação. Estas iniciativas, por sua vez, apresentam potencial retorno financeiro para as organizações envolvidas com a redução de desperdícios e a melhoria na segurança de pacientes e colaboradores, além do impacto no nível de serviço prestado aos usuários do SUS.

O programa de especialização será oferecido no modelo híbrido - ou seja, contará com aulas presenciais e online (ao vivo), respeitando as regras definidas pelo Ministério da Educação - nas cidades de Brasília, Belém, Salvador e Manaus, a fim de contemplar profissionais de diferentes regiões do país.

Ao final, os então especialistas em excelência operacional estarão aptos a atuar como agentes de mudança e líderes na multiplicação de iniciativas de eficiência operacional em suas organizações.


Métodos

Serão realizadas 5 turmas de Pós-Graduação em Gestão e Excelência Operacional na área da Saúde durante o triênio de 2021 a 2023, com carga horária total de 420 horas. Cada turma será composta por 50 alunos. Os encontros serão híbridos, ou seja, acontecerão de forma presencial e online (ao vivo), além de atividades extraclasse.

Também serão realizados 10 projetos em grupos de cinco alunos, utilizando metodologias de eficiência operacional (Lean Six Sigma e outras). Os alunos serão orientados e acompanhados por um Consultor de Excelência Operacional indicado pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Ao todo, serão 102 horas de mentoria por grupo.

O curso é composto por seis módulos, além do projeto aplicado:

  • Estratégia (70 horas)
  • Lean Six Sigma (170 horas)
  • Gestão de Fluxos (40 horas)
  • Gestão da Rotina (40 horas)
  • Liderança (30 horas)
  • Metodologia do Trabalho de Conclusão de Curso/ Projeto Aplicado (70 horas)
  • Ao final do curso, os profissionais receberão o certificado de Pós-Graduação Lato Sensu em Excelência Operacional na Área da Saúde - Lean Six Sigma. Caso o trabalho aplicado se desenvolva conforme a metodologia Lean Six Sigma, o aluno se certificará também como Green Belt (dupla certificação).


    Resultados


    Equipe

    • Hospital Israelita Albert Einstein

      Liderança

      Eduardo de Lima Nascimento - coordenador do projeto.


      Equipe
      Colaboração
      Área Técnica

    Conheça outros Projetos_