Resumo

A vigilância em saúde é considerada uma das funções essenciais da saúde. Ela compreende um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção e/ou a prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes da saúde. Sua finalidade é recomendar e contribuir com a adoção de medidas de prevenção e controle das mais diversas doenças e agravos.

O registro de dados de interesse sanitário e de casos de morbimortalidade que integram a base de dados da vigilância em saúde — hoje com variados graus de utilidade, seja por sua qualidade ou sua ampla cobertura — representam um patrimônio social e técnico do SUS. Investigar os casos, ameaças e problemas, correlacionando-os com outras fontes de informação, possibilita definir um cenário sanitário de acordo com a dinâmica dos respectivos territórios. A integração destas informações é o elemento básico para que seja possível organizar uma intervenção em favor da promoção e da proteção à saúde, além da prevenção de doenças.

Para isso, é preciso capacitar os profissionais em relação aos procedimentos de fluxos, prazos, instrumentos, definições de casos, funcionamento dos sistemas, condutas e medidas de controle, dentre outras diretrizes técnicas operacionais, para subsidiar o planejamento, a implementação e a avaliação da prática de saúde pública.


Introdução

O VigDCCI irá disseminar os procedimentos relativos às diretrizes técnicas para operacionalização do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde das doenças citadas. O objetivo é disseminar a teoria, as técnicas e as estratégias de apresentação da análise e interpretação dos dados epidemiológicos, para subsidiar o planejamento, a implementação e avaliação da prática de saúde pública.

Por fim, o projeto busca disseminar os procedimentos e as técnicas de análise de dados relacionados ao monitoramento dos indicadores e da vigilância laboratorial da tuberculose, incluindo conceitos básicos relacionados aos temas e o funcionamento dos sistemas de informação em saúde.

A iniciativa impactará o SUS diretamente, com o fornecimento de capacitação e desenvolvimento, o aprimoramento das práticas da vigilância em saúde, a redução e o controle das doenças por meio de ações educativas e preventivas promovidas na Estratégia da Saúde da Família e a disseminação de dados e estratégias para subsídios para planejamento, implementação e avaliação da prática de saúde pública.

O projeto se vincula aos seguintes objetivos do Plano Nacional de Saúde:

  • Reduzir ou controlar a ocorrência de doenças e agravos passíveis de prevenção e controle;
  • Fomentar a produção do conhecimento científico, promovendo o acesso da população às tecnologias em saúde de forma equitativa, igualitária, progressiva e sustentável.
  • E é vinculado às seguintes políticas públicas:

  • Política Nacional de Vigilância em Saúde;
  • Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais;
  • Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres (PNAISM);
  • Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC);
  • Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública;
  • Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase.


    Métodos

    Cada curso será autoinstrucional, de base computacional, e construído seguindo o arcabouço teórico que envolve a andragogia; a aprendizagem significativa e a taxonomia de Bloom, utilizando-se de recursos visuais e atividades para o desenvolvimento do raciocínio clínico.

    A proposta contempla o desenvolvimento de cinco cursos online, que abordarão temas relacionados à hanseníase, hepatites virais, HIV/AIDS, sífilis e tuberculose. O público-alvo são os profissionais de saúde que atuam na vigilância epidemiológica e assistência às doenças citadas anteriormente.

    Para cada agravo, serão abordados os seguintes itens:

  • Epidemiologia e Vigilância em Saúde;
  • Política Nacional de Vigilância e Saúde;
  • Diretrizes técnicas para operacionalização do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde;
  • Procedimentos relativos aos fluxos, prazos e instrumentos;
  • Sistemas de informação em saúde;
  • Critérios de definição casos;
  • Condutas e medidas de controle;
  • Técnicas de análise e interpretação de dados epidemiológicos.
  • Os cinco temas-cursos ficarão hospedados no Ambiente Virtual de Aprendizagem do Sistema Único de Saúde (AVASUS). Cada agravo gerará um certificado de participação independente.


    Resultados


    Equipe

    • Hospital Israelita Albert Einstein

      Liderança

      João Renato Rebello Pinho


      Equipe
      Colaboração
      Área Técnica

    Conheça outros Projetos_